Ímãs em capacetes podem tornar o futebol mais seguro

O uso de ímãs em capacete de futebol americano, são a aposta do neurocientista Raymond Collelo para a proteção contra impactos na cabeça. As empresas especializadas em desenvolver os capacetes para proteção durante jogos de futebol americano, trabalham intensamente em novos conceitos estruturais para a absorção e dissipação do impacto sofrido após terem ocorridos.

Após pesquisas e alguns testes Raymond avalia que o uso de ímãs aos capacetes de futebol podem reduzir o risco de contusões. Quando dois jogadores colidem, os ímãs em seus capacetes se repelem, reduzindo a força da colisão. Os ímãs, trabalhariam como um freio no impacto antes que aconteça.

Colello, da Virginia Commonwealth University, em Richmond, está testando ímãs feitos na China a partir do elemento neodímio de terras raras. Eles são os mais poderosos ímãs comercialmente disponíveis e pesam cerca de um terço de libra cada (capacetes de futebol pesam de 3,5 a 5,5 libras). Quando colocados a um quarto de polegada um do outro, dois imãs com os mesmos pólos face a face exercem quase 100 libras de força repulsiva.

Colello testou seus ímãs com o mesmo procedimento que o Comitê Nacional de Operação de Padrões para Equipamento Atlético usa para avaliar os capacetes de futebol. Ele colocou ímãs na frente de um peso e deixou-o cair de várias alturas para outro ímã. As alturas testadas por Colello (entre 6 e 4 pés) representam as forças de impacto que os atletas normalmente experimentam no campo de jogo.

“Com 48 polegadas, se você derrubar um capacete padrão e ele atingir um objeto estacionário, ele criaria 120 g de força”, diz Colello. “Com os imãs nós derrubamos abaixo de 100 g.”

Os ímãs complementariam os recursos de segurança do capacete existentes. Colello especula que adicionar ímãs a um capacete aumentaria o preço em US $ 50 a US $ 100. (Capacetes profissionais hoje podem custar várias centenas de dólares.) Jogadores amadores, que não experimentarão impactos tão esmagadores como os profissionais, podem usar capacetes com ímãs mais baratos e menos potentes.

Embora os ímãs atraiam objetos metálicos, a National Football League proíbe os atletas de usar jóias durante os jogos. Outra preocupação de segurança é se os ímãs são perigosos para ter perto de cabeças humanas. Colello diz que um procedimento de ressonância magnética de 30 minutos a uma hora produz campos magnéticos 10 a 30 vezes mais fortes que os dos ímãs de capacete.

Colello está agora à espera de ímãs personalizados em forma de arco que podem ser instalados dentro de capacetes para que ele possa começar a testá-los em campo. Primeiro, ele executará cabeças fictícias de colisão, vestindo os capacetes em uma tirolesa; quando as cabeças colidem, os acelerômetros medem as forças lineares e rotacionais causadas pelo impacto.

Se os ímãs conseguirem passar por testes de campo, eles poderiam, teoricamente, reduzir o risco relativo de contusões em até 80% sem alterar a aparência ou a intensidade do jogo, diz Colello.

Por: Sciencenews

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *