Saiba como equipamentos magnéticos estão presentes na sua casa

O magnetismo está por trás do funcionamento de diversos elementos bastante comuns em nossas rotinas. Ele possibilita o uso de um simples imã de geladeira, prendendo papéis na superfície, até complexos equipamentos magnéticos, que tornam possível o funcionamento de uma grande diversidade de utensílios, desde televisores até automóveis.

Exatamente pelo fato de se fazer presente em diversos segmentos de mercado, o magnetismo conta com estudos bastante antigos. Até mesmo a eletricidade, tão essencial para as atividades econômicas, industriais e sociais, depende das forças do magnetismo.

Por isso, quem se interessa pelo assunto deve conhecer a sua importância e aplicações. Até porque trata-se de um tema que se faz extremamente presente no dia a dia, especialmente em nossas casas, indústrias, comércios e outras construções.

A importância do magnetismo

O magnetismo pode ser definido como uma força capaz de exercer a atração ou repulsão entre determinados objetos.

O comportamento de ímãs e materiais ferrosos é um bom exemplo para a observação do magnetismo em ação.

Segundo as leis da física, de uma maneira bastante simplificada, o fenômeno do magnetismo é possível com a atuação de dipolos, que são pressões magnéticas divergentes, denominadas “polo norte” e “polo sul”. 

No caso dos ímãs, eles apresentam dois polos com manifestação intensa. A lei da força magnética indica que polos da mesma natureza se repelem, e os diferentes se atraem.

Os polos dos ímãs também são inseparáveis. Em outras palavras, eles podem ser quebrados ao meio e separados em polos norte e sul, mas os novos pedaços de ímã originam novas polaridades opostas.

O magnetismo é como uma base para diversos usos. Ele auxilia no funcionamento de aparelhos industriais importantes em uma série de setores, na produção de componentes pneumáticos, no funcionamento de motores, de eletrodomésticos e alto falantes, além de estar presente em projeto elétrico residencial.

Os estudos relacionados à ação dos ímãs tiveram início no século VI a.C, quando Tales de Mileto observou a atração que ocorria entre as pequenas partículas, principalmente, com elementos ferrosos.

O ferro é um dos elementos atraídos pelos ímãs. Por isso, o magnetismo se fez presente nas indústrias de fundição, auxiliando na produção e composição do ferro para usos predeterminados.

Posteriormente, os estudos na área relacionaram a força do magnetismo com a produção de energia, motivo pelo qual ela é tão presente em nosso cotidiano.

A relação entre correntes elétricas e magnéticas foi descoberta em 1820, com a teoria denominada eletromagnetismo. 

Basicamente, ela estabelece que cargas elétricas em movimento podem gerar campos magnéticos e, por sua vez, os campos magnéticos geram correntes elétricas.

Então, a relação entre as duas forças, criando ondas eletromagnéticas, passou a ser estudada e desenvolvida, possibilitando muitas atividades bastante presentes em nossa sociedade atual.

Equipamentos magnéticos no cotidiano

A relevância do magnetismo está no fato de que ele possibilita o desenvolvimento de uma grande gama de instalações, produtos ou utensílios. 

É exatamente por isso, que a força dos ímãs se faz muito mais presente em nosso dia a dia do que costumamos notar.

Um exemplo encontrado nas indústrias é o levantador magnético, equipamento muito utilizado para o içamento e movimentação de elementos no ramo metalúrgico, de estamparia, usinagem, entre outros. 

O produto é desenvolvido para o suporte de cargas muito pesadas, confeccionado em ferro com ímãs, proporcionando alto poder de magnetismo.

Nos projetos industriais, a montagem das linhas de produção leva em conta não só o magnetismo, como também o eletromagnetismo. 

Ele é aplicado na adequação de quadros de distribuição de energia, que devem atender à demanda do pátio fabril. 

O magnetismo também se faz bastante presente na produção de ferramentas, como molas, parafusos, entre outras peças em ferro e demais elementos metálicos. Nesses casos, ele ajuda as ferramentas a darem o efeito necessário na usinagem.

Outro exemplo que pode ser observado no uso de ímãs na indústria é no funcionamento de cilindros hidráulicos, que rotacionam dentro do próprio maquinário por meio do magnetismo.

Contudo, por outro ângulo, qualquer instalação que precise de energia para funcionar também destaca a importância do magnetismo. 

Até porque, trata-se de uma fonte de eletricidade para a alimentação de portão automático, entre outros tipos de equipamentos presentes no cotidiano. 

Nessa aplicação, o ímã determina o fim de curso da cremalheira, além da peça possibilitar a abertura e fechamento, o que ocorre principalmente nos portões de correr.

Em residências, condomínios, comércios e empresas, sistemas de portas costumam contar com ímãs. Isso pode ser observado, principalmente, em fechadura eletrônica para porta

O dispositivo oferece mais praticidade, economia e aumenta, consideravelmente, o nível de segurança das construções, pois permite a entrada apenas mediante a apresentação de senha, cartão de acesso ou pelo reconhecimento biométrico.

Nos automóveis, o magnetismo tem funções essenciais nos sistemas de embreagem e freios, mas também se faz presente na parte elétrica. Os ímãs estão em sensores e relés fundamentais para a manutenção do funcionamento dos componentes dos carros.

Nos aparelhos domésticos, o magnetismo e o eletromagnetismo costumam estar nas fontes de alimentação. Aparelhos micro-ondas, computadores, aparelhos de som, geladeiras e diversos outros exemplificam a aplicação dos ímãs no dia a dia.

O magnetismo também está por trás do funcionamento de antenas. Embora qualquer estrutura possa emitir ondas eletromagnéticas, com um tubo para antena, o processo pode ser mais eficiente, possibilitando a captação ou emissão de cargas elétricas em movimento. 

Esse utensílio possibilita a receptividade do sinal de TV com clareza, evitando a ocorrência de chuviscos ou a falta de conectividade, ao mesmo tempo em que a sua ausência pode até causar a restrição do sinal.

De uma maneira geral, pode-se dizer ainda que o ímã de neodímio, que tem vantagens econômicas em relação a outros elementos magnéticos, é bastante usado nas indústrias, construções e também por amadores, em incontáveis aplicações.

Além dos exemplos já citados, vale a pena enumerar:

  • Composição de disco rígido de computadores;
  • Funcionamento de telefones, alto falantes, televisores e sistemas de alarme;
  • Localização com bússolas e outros equipamentos magnéticos;
  • Impulso para motores de corrente contínua;
  • Aplicações em acabamentos de usinagem de peças;
  • Detectores de chips e sistemas de segurança.

Curiosidades sobre a estrutura de ímãs

Para entender melhor o funcionamento dos ímãs, elementos interessantes e tão úteis em nossa sociedade, é válido levar em conta curiosidades como as seguintes:

  • Os ímãs são compostos de dois polos;
  • Os polos dos ímãs são semelhantes aos polos elétricos;
  • Os polos do ímã correspondem aos polos geográficos;
  • O rompimento de um ímã gera dois novos ímãs;
  • O tamanho de um ímã pode determinar a sua utilização;
  • Existem ímãs naturais e artificiais.

Devido aos dois polos distintos, é fácil perceber na manipulação de ímãs que existem lados que se atraem e outros que se repelem. 

Além disso, ao unir dois polos diferentes eles se atraem, ao passo que a união de polos iguais não é possível, porque eles se repelem.

Os polos dos ímãs são nomeados de acordo com o posicionamento geográfico. Em outras palavras, quando uma peça com potencial magnético é erguida livremente, a tendência é que o seu polo norte se alinhe com a região norte da Terra.

O rompimento de um ímã não prejudica a sua funcionalidade, já que as peças podem ser divididas sem problemas. Já com relação ao tamanho, está diretamente relacionado à força exercida pela atração do ímã. 

Portanto, quanto mais força de atração se espera de um equipamento, maiores devem ser as dimensões dos ímãs usados no interior do equipamento.

Por isso, é de extrema importância que os ímãs tenham formas e dimensões específicas para cada utilização. Assim é possível garantir o funcionamento adequado e a potência da instalação, equipamento ou utensílio que depende do magnetismo.

Com relação às classificações entre naturais e artificiais, é importante esclarecer que os primeiros são encontrados diretamente na natureza. Eles possuem uma alta concentração de magnetita, ou óxido de ferro, responsável pelas características magnéticas das peças.

Entretanto, principalmente com a ampla utilização destes materiais, os ímãs artificiais podem ser fabricados em indústrias especializadas.

As curiosidades auxiliam na compreensão do funcionamento dos ímãs e, além disso, na percepção dos motivos porque eles estão presentes em tantos equipamentos do cotidiano, se mostrando essenciais para tantas atividades rotineiras e diárias.

Vale a pena concluir lembrando que o desempenho ou eficiência dos equipamentos, também depende da qualidade dos materiais utilizados nos sistemas elétricos, sejam eles industriais ou residenciais. 

No caso de instalações complexas, o mais recomendado é a contratação de engenheiros para a elaboração de projetos, e de técnicos especializados para as execuções, garantindo qualidade e segurança.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *