Doenças do sangue podem ser removidas por ímãs

Para combater essas células doentes, um engenheiro britânico desenvolveu um método para filtrar essas células do sangue usando ímãs. Com as constantes pesquisas existentes, foi possível desenvolver uma técnica semelhante a aplicada nos exames de imagem, onde as células infectadas aparecem.

Frodsham criou o MediSieve método de tratamento semelhante à diálise, removendo o sangue de um paciente e infundindo-o com nanopartículas magnéticas projetadas para se ligarem as células doentes.

Os ímãs são utilizados para extrair e prender as células antes do procedimento de bombear o sangue filtrado de volta ao cliente.

O objetivo é que o sangue passe pela máquina inúmeras vezes, até que os níveis de doença estejam baixos o suficiente para serem eliminados por drogas ou mesmo pelo sistema imunológico do paciente.

A equipe de Frodsham, aguarda a liberação por parte da Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde do Reino Unido para testar o sistema em pacientes infectados pelo parasita da malária. Uma doença naturalmente magnética, graças ao consumo de seu próprio resíduo à base de ferro.

Após a aprovação, a ideia é começar os testes já em 2020. E a previsão para 2021, será tratar com o MediSieve as bactérias causadoras de sepse.

“Em teoria, você pode ir atrás de quase tudo”, disse Froadsham ao The Telegraph. “Venenos, patógenos, vírus, bactérias, qualquer coisa a que possamos nos ligar magneticamente pode ser removida.

Por: Oximag
Fonte: https://futurism.com/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *